as vezes me dá umas coisa na cabeça

Meu nome é Vitor Faglioni Rossi. Eu sou formado em Ciências da Computação pela USP – São Carlos (ou melhor dizendo, o CAASO). Trabalho como Analista Desenvolvedor de Software desde 2014 e gosto muito do que faço.

Mas você pode me conhecer como John Vee Jones, que participava dos fóruns de MUGEN (como a MugenBR, principalmente, de onde fui moderador), do Zelda.Com.Br (onde até mesmo participei da tradução das roms de alguns jogos);

Ou mesmo tenha ouvido falar de mim como o Vitor, que dublava Rebosteio e respondia os comerdários;

Talvez me conheça como Vitinho, do Radiofobia e do Pauta Livre News;

Pode até mesmo me conhecer como o Príncipe Vidane, do Pelada na Net, que colaborou tanto tempo com o Futirinhas e acabou rodando a podosfera inteira.

Mas é muito mais provável que você nem me conheça.

A verdade é que já produzi muita coisa, algumas das quais você pode ter ouvido falar. Ou não. E tá tudo bem com isso.

fazer podcasts é o meu grande tesão

Comecei com edição de áudio antes de saber o que era podcast: fiz programas de rádio on-line (Ponão ao Vivo, O Show da Virada) e comecei editando quadros para eles.

Aí veio o Mesa Quadrada Futebol Combate em 2010, onde fui convidado para gravar e acabei me tornando host e editor com o tempo.

Em 2011 veio o concurso para novo integrante do Radiofobia que eu venci, tendo a honra de gravar com grandes nomes da podosfera e da cultura pop brasileira – como alguns ídolos dubladores com quem eu jamais pensei que pudesse conversar.

No ano seguinte, surgiu o amor da minha vida. Criei o Pelada na Net, um podcast para que eu e uns amigos pudessemos falar sobre futebol sem perder nosso bom humor. O Peladinha já me trouxe convite para estar no palco de duas Comic-Con Experience, é minha segunda fonte de renda (graças ao financiamento coletivo através do Padrim) e é a minha principal realização enquanto produtor de conteúdo. É, sem sombra de dúvidas, onde eu consigo me soltar mais – tanto quanto apresentador quanto como editor.

Também fiz parte de um podcast do qual era muito fã, o Pauta Livre News – que acabou em 2016. Tenho saudades da galera, e confesso que voltar com o PLN passa pela minha cabeça pelo menos umas cinco vezes ao ano. Mas quando me lembro que acabou porque tinha que acabar, a vontade passa. Fica a saudade e o orgulho de ter participado.

Ops, em 2019 eu tive que atualizar esse texto. Pois é. Porque o Pauta Livre News voltou. E eu estou feliz da vida com isso.

faço uns vídeos também

Uma das paradas que mais tive orgulho de produzir foi Rebosteio. Estive com o Xande desde o início, fui por muito tempo o único dublador e também escrevia roteiros para esquetes. Fiquei dois anos com o Xande, vi o canal alcançar grandes marcas (passamos dos 100 mil inscritos, o que na época era uma raridade inacreditável) e tive que deixar o projeto para focar na faculdade. e enfim me formar.

Fizemos muitas coisas juntos – até mesmo um piloto para o Casseta & Planeta que ninguém nunca viu e trabalhos junto com nossos amigões do Galo Frito. Sigo tendo muito orgulho de tudo o que produzimos tudo – o Xande é meu irmão e o melhor parceiro profissional que já tive na minha vida. Somos, ainda, duas mentes que se conectam muito bem.

Criei também o canal Versão Brasihueira, que era só uma desculpa para que eu e um amigo fizessemos traduções bizarras de jogos que gostavamos muito. Nunca foi um projeto pra “dar certo”, mas até que deu. Muita gente conhece o Cobra Comedor, por exemplo – o que me deixa um tanto feliz. Vira e mexe tenho vontade de criar vídeos novos lá. Uma hora aparece.

Produzo vídeos como meta para o Padrim do Pelada na Net. Mensalmente, acabo editando dois ou mais vídeos – sejam gameplays ou o que quer que apareça pela frente. Gosto bastante de editar vídeos também, apesar de achar extremamente trabalhoso.

Além de tudo isso, descobri nas lives da Twitch uma nova paixão. Jogar videogame eu já jogava – mas jogar com a galera assistindo, é muito mais divertido.

contatinho

Pode me encontrar nas redes sociais – que estão no rodapé deste site. Mas também pode mandar um e-mail para johnveejones@gmail.com que vai pipocar uma notificação gostosa no meu celular e eu vou ser obrigado a ler (para fazê-la sumir).